Carmela Grüne integra o Projeto Artinclusão para atender o Abrigo de Crianças e Adolescentes de Porto Alegre com financiamento do FUMPROARTE

O Projeto Artinclusão é idealizado e coordenado pelo renomado artista plástico Aloizio Pedersen. Essa consolidada iniciativa, laureada com dois prêmios em Direitos Humanos do RS, parte de uma vivência nas artes que ultrapassa 40 anos de ações em escolas, presídios, hospitais, faculdades e congressos.

Agora adapta seu método para atender às características da Casa de Acolhimento AR7, vinculada a FASC Fundação de Assistência Social e Cidadania. Através do Edital Porto Alegre Amanhã, do FUMPROARTE, o projeto Artinclusão no AR7 foi proposto e escolhido dentro de uma centena de ações de arte e cultura existentes em Porto Alegre. Sob a coordenação executiva da advogada e ativista dos Direitos Humanos Carmela Grüne o projeto promoverá o protagonismo através da pintura, proporcionando o empoderamento da cidadania cultural, com foco no despertar da profissionalização, pela geração de renda, especialmente, o aumento da autoestima e expressão cívica.

A psicoterapeuta da Infância e Adolescência, Marília S. Krüger, que também integra a equipe técnica do projeto ressalta

O clima de um abrigo de passagem, em função das vivências de seus moradores, pode ser de muita angustia, urgência, correria, desesperança, pois o medo de como será o dia de amanhã consome a capacidade de tolerância. “Será que vou sobreviver a tudo isso?” Sendo assim, esse projeto é uma intervenção mais do que artística. Oferece aquilo de mais humano que precisamos: espaço para experimentar formas deser na presença do outro. A arte conduzida por um professor sensível abre novas possibilidades. Ela devolve sonhos roubados e permite que os sonhos ainda não sonhados possam nascer”.

O artista Pedersen esclarece

Ao mesmo tempo em que funciona como um expurgo de conteúdos reprimidos, o que abre espaços internos para a aquisição de novas formas de comportamento, para enfrentar as vicissitudes do cotidiano. Intercala trabalhos coletivos com individuais, baseado no Método Sócio-interacionista do Psicólogo Lev Vygotsky, que afirma a arte como criação social”.

As obras produzidas sob coordenação do artista Pedersen serão expostas em Museus e demais órgãos interessados em acolher os trabalhos. Haverá intervenções com os participantes, sendo que posteriormente ocorrerá a venda dessas obras revertida para essas crianças e adolescentes.

Contamos com a audiência e participação de todos nesse projeto que vai dar uma visibilidade positiva as crianças e adolescentes pela formação de pintura feita na Casa de Acolhimento AR7.

Mais informações: 51 999 131398

+ Sobre Artinclusão

A linguagem simbólica do desenho e da pintura como ferramenta auxiliar na reinserção social de crianças e adolescentes sob medida de proteção é um método de características expressionistas, a partir de exercícios pictóricos encadeados e seqüenciais, oportunizando o desbloqueio de emoções, matéria prima da arte.

Paralelo ao trabalho prático, na técnica sobre tela, estão as interseções teóricas da história da arte, da vida e obra dos artistas que estão sendo trabalhados no processo criativo. Essas características funcionam como uma iniciação profissional, com possibilidades de geração de renda e empreendedorismo social.

O projeto Artinclusão está registrado em artigo publicado na obra Justiça Juvenil na Contemporaneidade II, organizado por Ana Paula Motta Costa, Editora da Universidade, 2018. E seu método descrito na obra Sujeitos e Instituições: Modos de Cuidar e Tratar, organizado pela Coordenação Social da SJDH, 2002.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.