Advogada e escritora Carmela Grüne recebe homenagem em lançamento da obra Negras Palavras Gaúchas

Foto: Wiliam Correa

O Projeto Coletânea Negras Palavras Gaúchas Dois foi lançado hoje (09) em solenidade no Memorial do Rio Grande do Sul agora com o apoio institucional do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos. Em sua segunda edição a coletânea integra várias regiões do estado, descobrindo e lançando novos autores que escrevem e produzem sobre a história, a cultura e o cotidiano afro gaúcho.

A iniciativa é do Grupo Multiétnico de Empreendedores Sociais do RS. O trabalho tem a coordenação do jornalista e escritor Oscar Henrique Cardoso. Segundo ele a coletânea busca dar uma oportunidade junto ao mercado editorial. “A Coletânea Negras Palavras Gaúchas DOIS vem preencher esta lacuna. Vem promover a inclusão por meio da palavra. A Literatura como um caminho e um instrumento para a promoção da igualdade racial em nosso estado”, ressaltou.

Oscar Henrique Cardoso anunciou que o projeto está indo para o interior. O próximo lançamento regional acontece em Caxias do Sul, no próximo dia 20 deste mês, no Centro Administrativo Municipal. Outras duas cidades vão receber o projeto, como Pelotas e Santa Maria, onde as tratativas estão sendo firmadas. O último lançamento regional será em Uruguaiana, na Fronteira Oeste, no dia 2 de junho. E no dia 20 de setembro deve ocorrer uma sessão especial de autógrafos reunindo, no mínimo, 25 autores, em um mesmo espaço.

 

Foto: Wiliam Correa

A diretora do Departamento de Direitos Humanos e Cidadania da SDSTJDH, Maria da Graça Paiva, enalteceu a parceria que permite caracterizar o projeto como de Estado. A diretora falou das ações do departamento que trabalha com uma complexidade de garantia de direitos para pessoas e grupos em vulnerabilidade social. “Nosso trabalho visa garantir que somos todos iguais na diversidade”, disse Maria da Graça Paiva, acrescentando que “as causas (direitos humanos) devem ser suprapartidárias para se atingir a população que mais precisa”.

A coordenadora de Igualdade Étnica e Racial do DDHC/SDSTJDH, Tânia Neves de Paula, elogiou o projeto que “resgata a visibilidade da literatura negra. É uma grande oportunidade para aqueles talentos adormecidos”, disse. A coordenadora afirmou, ainda, que a discriminação racial prejudica a divulgação do projeto e o apoio do Estado, a partir de agora, contribuirá para vencer essa barreira.

A presidente do grupo Multiétnico Cultural, Frankelina Cardoso, agradeceu a todos que contribuíram para o êxito da segunda edição da Coletânea Negras Palavras Gaúchas, em especial, aos autores, a quem chama de “Guardiões da cultura”. “Um sonho que se sonha junto torna-se realidade”, concluiu.

Durante a solenidade de lançamento alguns autores e pessoas que participaram da construção do projeto foram homenageados com um certificado. Foram agraciados Vera Lucia Machado de Oliveira, Carmela Grüne, Cica De Oyó, Janice Ramos, Jorge Terra, Lucia Brito Pereira, Nilda Correa Cardoso, Sandra Lee, Sérgio Dorneles, e Paulo Franklin.

A solenidade encerrou-se com um sarau protagonizado pelas poetisas, Ana dos Santos,  Delma Gonçalves, Lilian Rocha, e o poeta Mamou de Castro, entre outros.

Foto: Wiliam Correa

Também prestigiaram o evento o presidente do Memorial do RS, Dilmar Bosco Portela, e o presidente da Fundação Bienal do MERCOSUL, Gilberto Schwartsmann.

 

Fonte: Secretaria de Desenvolvimento Social, Trabalho, Justiça e Direitos Humanos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.