15 de December de 2017
Carmela Grune

Petroleiros gaúchos mobilizados contra a redução de efetivo

Petroleiros e petroleiras mobilizados em frente à Refap
Foto: SINDIPETRO-RS

A manhã gelada dessa terça-feira (20) não foi impeditivo para os petroleiros e petroleiras da Refap reivindicar a política de sucateamento, desmonte, privatização e redução de efetivo, orquestrada por Pedro Parente. A paralisação faz parte do Dia Nacional de Mobilização rumo à Greve Geral de 30 de junho.

Sem qualquer negociação com os sindicatos, a Petrobrás está implementando um estudo unilateral de efetivos, com base em uma metodologia norte-americana de hierarquização de tempos e tarefas que não condiz com os processos de operação em refinarias de petróleo. O objetivo é reduzir em até 25% os números mínimos, que já estão no limite e até mesmo abaixo do quadro necessário para garantir a segurança operacional.

O resultado dessa política é o aumento de acidentes e a precarização das condições de trabalho. No domingo, 18, dois trabalhadores da Reduc foram vítimas de mais um acidente, que é reflexo direto do sucateamento que os gestores estão impondo às refinarias.

Refap
Foto: SINDIPETRO-RS

Aqui na Refap, a gerência local não poupou desfaçatez, em consonância com a gestão da Petrobrás, resolveu aplicar um método completamente inadequado a indústrias de processo contínuo e apresenta, aos trabalhadores, como sendo responsabilidade do Sindicato a implantação.

Comitê contra as Reformas, no centro de Canoas
Foto: SINDIPETRO

Mobilização nos aeroportos

O Dia Nacional de Mobilização rumo à Greve Geral, foi convocado pela CUT e demais Centrais Sindicais e as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo. Às 5h da manhã os manifestantes estiveram no embarque do aeroporto Salgado Filho, realizando um ato contra as reformas da Previdência e Trabalhista e por Fora Temer e Diretas Já. A atividade faz parte da estratégia de pressionar deputados e senadores, no horário em que muitos costumam viajar para Brasília, para que se posicionem e votem contra as reformas do Temer.

Houve distribuição de centenas de exemplares do novo jornal especial da CUT-RS contra as reformas do governo ilegítimo de Michel Temer (PMDB), esclarecendo a população sobre o desmonte da aposentadoria e da CLT e trazendo as fotos, nomes e partidos dos deputados que votaram a favor da Reforma Trabalhista no plenário da Câmara.

Ato no Glênio Peres às 17h30

A próxima manifestação ocorre hoje, às 17h30, no Largo Glênio Peres, no centro de Porto Alegre, que reunirá centrais, as frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, movimentos sociais e comunitários. Fora Temer e suas reformas! Diretas já! Nenhum direito a menos!

 

Fonte: SINDIPETRO-RS

Gostou deste artigo? Compartilhe!

Sobre o autor

Deixe seu comentário

*